MAUC e os novos ares da cultura cearense

13 de agosto de 2018

A poesia do repente na literatura de cordel, a xilogravura, o uso do barro como instrumento de criação de arte e de utensílios domésticos fazem parte da cultura do sertanejo e trazem consigo os traços de formação da arte regional. A Universidade Federal do Ceará sempre buscou manter uma valorização e uma relação com essas expressões artísticas. O MAUC – Museu de Arte da UFC surgiu nesse contexto como principal articulador. Ele abriu suas portas para visitação no ano de 1961 com uma proposta de caráter inovador para a capital cearense: levar aos moradores locais a possibilidade de consumir arte e dos artistas, tanto regionais como nacional, e posteriormente internacionais, de produzir, apresentar e discutir suas obras.

A relação estabelecida entre a universidade e o reconhecimento dessas expressões artísticas é anterior a fundação do MAUC. Existem registros de mostras nos espaços da Universidade. Como por exemplo, no ano de 1957, durante a realização de eventos em comemoração ao segundo aniversário de instalação da UFC. Ocorreram no Salão Nobre da Reitoria exposições com obras de diversos artistas que mais tarde teriam suas produções integradas ao acervo do MAUC.

Nesses eventos Raimundo Cela e Vicente Leite obtiveram bastante destaque. Dois grandes artistas plásticos no cenário da produção cearense, filhos de Sobral e Crato, respectivamente. Pela dificuldade e inexistência de escolas de arte no estado, ambos realizaram seus estudos no Rio de Janeiro, na histórica Escola Nacional de Belas Artes – ENBA. O contato com artistas estrangeiros e de outros estados incrementaram seus processos de criação, com novas perspectivas, técnicas e muita inspiração.

Raimundo Cela possui um espaço especial no MAUC, uma sala de exposição permanente destinada aos seus trabalhos, que apresentam características peculiares de sua produção por meio de uma constância voltada para a representação de paisagens e cenas do cotidiano, mesclando tons claros e escuros. Além dessa sala, o MAUC apresenta ao público espaços permanentes voltados para a xilogravura e as esculturas em barro, com peças produzidas por Antônio Batista da Silva, Damásio Paulo, João Pereira da Silva, Wandelrêdo Gonçalves, Abraão Batista, Francorli, José Lourenço e Stênio Diniz.

A importância do Museu de Arte da UFC se mostra presente através da sua preocupação em sempre participar e influenciar os acontecimentos, tanto internos da Universidade como externos, fazendo da instituição uma influenciadora das artes plásticas na capital cearense. Temáticas mais atuais como as lutas femininas por valorização das suas produções e visibilidade, com a mostra “Design por Mulheres” com a curadoria de Luciana Eloy e Cláudia Marinho, representam a forte presença do MAUC como agente de mobilização e porta-voz, através da arte, dos anseios da nossa sociedade. A exposição ficará aberta à visitação até o final de agosto de 2018, com entrada franca.

Fonte: Memorial da UFC / 3366.7414